Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Ficar Passada dos Carretos

Isto está mesmo a ficar uma desgraceira depois de tanta quarentenada... quarente... nada de todo!

Isto está mesmo a ficar uma desgraceira depois de tanta quarentenada... quarente... nada de todo!

A Ficar Passada dos Carretos

24
Mai20

Vícios bons

Milu

99358435_826182327907540_3658940922168606720_n.jpg

 

Todos os acontecimentos da vida acarretam consequências. Estas podem ter impactos bons ou maus nas vidas das pessoas.  Hoje venho dissertar sobre uma consequência boa.

Depois de cinco anos de frequência de ginásio e com resultados para mim deveras satisfatórios, foi com bastante apreensão que conclui que, devido à Pandemia, tão depressa não poderia retomar os meus treinos. A possibilidade de perder toda a performance adquirida ao longo de todo este tempo, com tanta dedicação e sacrifício, assumiu para mim as dimensões  de uma hecatombe!

Não! Decididamente esta menina não poderia deixar que semelhante coisa acontecesse!

Se por um lado,  o ginásio disponibiliza aulas online, e com elas os prejuízos  na minha condição física seriam menores, por outro lado,  as aulas não é o género que mais gosto. 

Penso que esta minha falta  de apetência pelas aulas de ginásio se deve ao facto de não estar habituada. Tudo na vida são hábitos. Desenvolvido um determinado hábito  este torna-se a nossa normalidade.

Acontece que, a modalidade de musculação foi para mim uma forma de frequentar um ginásio sem estar sujeita a horários estipulados, coisa que detesto, porque já me chegam os horários da minha actividade profissional, os quais me preocupo por respeitar escrupulosamente. Afora isso esforço-me por reservar a minha independência, a minha liberdade de agir.

Mas a preferência pela modalidade de musculação também tem a ver com a minha personalidade! 

O vídeo que poderão visionar neste post explica esse fenómeno muito melhor do que eu!... Para muitos, a musculação não necessitando de ser praticada em grupo torna-se uma modalidade enfadonha, solitária. Para mim não é nada disso porque entendo que não estou verdadeiramente sozinha. Sou eu e os meus pensamentos. 

Posto isto, pensei que só havia uma solução para contornar esta situação inédita, que seria adquirir os equipamentos indispensáveis para fazer uma réplica o mais fiel possível dos meus treinos diários habituais. Se bem pensado, bem feito. Eles aí estão e não lhes tenho dado descanso. E quero mais!

Os meus treinos diários iniciam-se com uma corrida à volta do quarteirão que inclui uma subida para aquecer, até sentir o sangue fervente a circular nas veias. O percurso não é comprido, mas é intenso e sem permissão para parar. Brevemente terá de ser mais extenso porque o corpo já está a habituar-se...  Tenho de ser honesta comigo para perceber quando já estou na zona de conforto e evitar cair nesse logro 

Depois segue-se cerca de uma hora e meia de exercícios com pesos no meu ginásio algo rudimentar mas suficiente. Escusado será dizer que não me permito a baldas. Não é por não estar a ser vigiada que me dou a aldrabices. E que ganharia eu com isso?? 

Só posso dizer que estou bastante satisfeita! Disse atrás que a preferência pela modalidade de musculação terá possivelmente muito a ver com a minha personalidade. Gosto de estar comigo. Gosto de me automotivar e faço muita vez o exercício da automotivação, utilizando estratégias que funcionam muito bem comigo. Ou seja, não preciso de companhia para me motivar. O meu bem estar e satisfação comigo própria são o que me motiva. Bem trabalhado, chega-se a um ponto que a necessidade de cumprir aquele ritual de exercício se torna um vício, que se não for satisfeito nem andamos bem. 

Neste vídeo há personagens que falam do grupo como factor motivador, mas há também os  apaixonados pela modalidade, quiçá os mais fortes psicologicamente, que não precisam do incentivo do grupo. O mais importante é definir um objectivo e depois dar o máximo para o atingir, evidenciando assim a nossa verdadeira têmpera. Quanto aos outros, os do grupo, não podem fazer os exercícios por nós, porque havemos, então, de precisar deles?... Tão simples quanto isto... Eu sou assim, pois. 

 

 

 

giphy_10c482c0-2e80-48d5-8fa3-a4d681813259_large.g

 

 

 

 

 

 

 

 

 

14
Mai20

Percursos inesperados

Milu

m000119791.jpg

 

A vida é mesmo um livro com muitas páginas, capítulos e subcapítulos.

No constante virar de páginas e inauguração de novos capítulos,  há inusitados  que, quer queiramos, quer não, estabelecem um marco para  um novo tempo, para um futuro que se vai  revelando, que vai tomando forma. Para a semana recomeçarei a minha vida activa/profissional.

Mas eu já não sou a mesma!

O tempo em que permaneci em casa foi tudo menos estéril. Tive a presença de espírito necessária para não descurar o sentido de oportunidade e esforcei-me veementemente para compensar as perdas com  ganhos, para melhorar, para acrescentar...

Foi  como atirar  uma pedra a um charco, para fazer agitar as águas estagnadas. 

 

fa8bb414315622d9175381fde4195c94.jpg

Com efeito, durante este tempo não fiquei inactiva, pois tornei-me uma amante da policultura doméstica. Criei também o meu ginásio doméstico e tenho outras ideias que, por enquanto, não quero revelar, já que ainda estão em embrião. Mas uma coisa traz sempre outra... E assim sucessivamente. 

Eis mais umas fotos de uma pequena parte da minha horta, que não me canso de partilhar. As abóboras já com bastante rama e um novo canteiro que se encontra todo semeadinho. Estou em pulgas para começar a ver tudo a rebentar! 

 

A Horta

96735670_272894597198413_5358819416635080704_n.jpg

As minhas abóboras

 

97816732_1332862793589799_9143572244574765056_n.jp

O meu novo canteiro (cercado por fio azul) onde pratiquei a policultura intensiva.   Está todo semeado 

96786797_2635844729969461_5828837427506053120_n.jp

O Francisco Espanta Pardais 

97008772_240863637140709_6059751477977546752_n.jpg

O Manel Espanta Pardais, irmão do Francisco

98190914_685427355336796_3983253438833098752_n.jpg

Mais um almocinho com os meus produtos hortícolas (menos o tomate)

 

O Ginásio

 

96756062_943208372766547_7517778521465290752_n.jpg

 

Sem Títuloui.jpg

 

A Lolitinha, pequenina, fofinha, "queriducha"

Ainda assim, o melhor que me aconteceu nestes últimos tempos, um pouco antes da malfadada pandemia, foi ter adoptado a minha tão querida cadelinha. Começo e termino todos os dias com o coração inundado de ternura por ela. Há lá coisa melhor que é ter um docinho destes a perseguir-nos pela casa?  

 

96784411_706676463401012_3429738905790840832_n.jpg

 

7a962f85271b11310d961b24b28148c1.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

13
Mai20

Hiatos na Vida

Milu

pixiz-13-05-2020-18-06-23.jpg

 

 

Mais uma vez aqui me achego para fazer o balanço do ponto de situação neste intervalo da minha vida profissional.

Em primeiro lugar, o meu ginásio doméstico, necessidade que se tornou imperiosa com o confinamento social, e que já está parcialmente completo. Vendo bem, e por enquanto, não iria precisar de mais equipamentos. Mas agora que lhe tomei o gosto, que o "bicho se meteu no corpo", já não garanto nada. Dificilmente ficarei por aqui e, oportunamente, hão-de vir mais equipamentos para o fazer crescer. 

Em segundo lugar a minha horta, que tanto me tem entretido. Vai mais ou menos. É que ainda estou para perceber o motivo pelo qual as espécies vegetais dos restantes membros da horta comunitária crescem mais viçosamente do que as minhas... 

Contudo, os rabanetes já andam a ser colhidos e são muito saborosos e tenrinhos. Já pela terceira vez que fizeram parte das minhas refeições. Numa primeira refeição foram servidos numa salada, que fez  parte do jantar em família, no qual me foi oferecido um bolo de aniversário. Recorde-se que, no dia do meu aniversário, estive impedida de estar com a família devido à interdição governamental de circular entre concelhos. Contudo,  a família fez questão de não deixar passar em branco este acontecimento. A salada foi primorosamente confeccionada por uma pessoa de família. Ei-la aqui tão cheia de cor! 

 

96387755_2682216112062078_701358521530187776_n.jpg

 

Sem Título.jpg

 

As outras duas refeições já foram preparadas por mim. Os rabanetes muito vermelhinhos e a própria rama, cortada em juliana, sabem tão bem!  Deve ser porque são meus  E já semeei mais. O truque é semear em tempos desencontrados, para assim enquanto colhermos uns, outros já estarem em crescimento. Desta forma há rabanetes durante todo o ano. 

96593677_933625670409972_520280088990711808_n.jpg

 

96701331_1684816514989839_5085693886412619776_n.jp

 

96577894_2524840677846106_2639382812142075904_n (1

 

Mas não vou ficar por aqui. Há uma outra actividade na forja. Com a idade da reforma a aproximar-se a passos largos, há que ir ensaiando formas de ocupar o tempo para me manter saudável, entusiasmada e com vontade de viver! 

 

giphy_10c482c0-2e80-48d5-8fa3-a4d681813259_large.g

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

04
Mai20

Quem quer casar com uma agricultora? Parte II

Milu

20411051_foJjB.jpeg

 

Foi nos meus verdes anos de escola que me ensinaram que, para finalizar um texto, devemos terminá-lo com uma descrição que sirva de remate, sob pena de parecer que foi interrompido, que ficou ainda muito por dizer. Nunca me esqueci desta regra, tanto que se tornou algo  de muito natural para mim. 

Mas, o mesmo costuma acontecer comigo quando início um post para publicar nos meus blogs. Raramente vou directa ao assunto central. Gosto sempre de elaborar um intróito. Eis, então:

O dia 3 de Maio é um dia especial para mim. Recordo-me que, em menina, este dia nascia com cruzes ornadas de flores  penduradas na porta principal  das casas. Diziam-me que era para comemorar o dia de Santa Cruz. Numa pesquisa rápida encontrei que, em Portugal e noutros países do mundo, existe a tradição de se realizar festas e romarias por volta deste dia, assim como de ornar fontes e cruzeiros com diversas flores, verdura, giestas, rosmaninho, entre outros, para proteger as pessoas dos males que andam à solta de noite.

Prosseguindo a pesquisa, também encontrei que 3 de Maio é comemorado como o Dia do Sol, uma data voltada para a valorização desta importante fonte de energia, que possui profunda relação com a sobrevivência de todas as espécies de seres vivos da Terra.

Mas o dia 3 de Maio é, também, o dia em que comemoro a data do meu nascimento! 

Em criança, nunca tive festas  de aniversário. Nem prendas. O curioso é que não guardo nenhuma mágoa disso. Tivesse tido, ao menos, arroz doce com fartura  

A minha mãe, para comemorar os aniversários dos filhos, costumava fazer, apenas, um tachico de arroz doce. Nem sequer era um tacho.  Lá em casa, a filharada protestava sempre perante tão minguada iguaria, dizendo que o arroz doce nem dava para tapar a  cova de um dente:

" - Ó mãe, porque é que você fez o arroz doce nesse  tacho tão pequeno?" 

" - Ó mãe porque é que não fez o arroz doce naquele tacho?"

O tacho referido pela prole era o maior que havia em casa, claro! A minha mãe, então, olháva-nos calada e com um olhar enigmático, talvez arrependida... e pensando que os filhos até tinham razão, afinal, tudo se resumia a acrescentar mais uma pouca de água, mais um punhado de arroz e algum açucar...

Só quando comecei a ter o meu dinheiro é que também comecei a comemorar a data do  meu aniversário. Houve um aniversário que para sempre ficou na minha memória.

O aniversário dos meus vinte anos. 

Convidei muitos amigos, a quem  ofereci uma lauta refeição, à qual não faltou um menu que elaborei e entreguei antecipadamente a cada conviva. O momento alto do festim foi comemorado ao som do fado "Primeiro Amor (20 anos) de Cidália Moreira.

 

Tenho cá um pressentimento, algo me diz que, ontem, o dia do meu aniversário, se tornará também um dia memoriável... porque foi diferente.

O que deixa história é o diferente.

Comemorado num tempo de pandemia, sem a família, já que a sua presença implicava a mobilidade entre concelhos, que estava interdita,  sem margem para escolhas, portanto, o meu aniversário foi celebrado com um almoço na  minha garagem, num espaço que tem vindo a ser preparado para as minhas futuras actividades lúdicas e, também, por entre as mais diversas quinquilharias próprias de um espaço de arrumos, em que costumamos tornar a nossa garagem. Como repasto  uns grelhados feitos na nossa churrasqueira comunitária, regados com um vinho de estalo. Na parte da manhã, e durante a tarde, transitei entre a garagem e  o quintal,  onde alguns vizinhos andavam a trabalhar, debaixo de um sol abrasador, em mais um espaço para alargar a nossa horta comunitária. Já tenho, por conseguinte, mais um canteiro 

E foi assim o meu dia de aniversário. Tive também uma surpresa muito agradável, mas dessa não posso falar. Só sei que fiquei muito feliz. Já estava feliz, mas ainda fiquei mais. Também estou muito grata às pessoas  que me acompanharam, que fizeram o meu dia 

E, já agora, por falar em horta, que tal umas fotos para festejar também os progressos? 

Agora sim, agora já começo a ficar convencida que irei realmente comer da minha lavoura!

Olhem só os rabanetes a começar a aparecer!   Está tudo um bocado a monte mas agora vou melhorar. Já descobri uma técnica  E o espantalho para pardais, obra de um vizinho??  

Que saudável que tem sido para nós a nossa horta! Bem, tenho que me despachar bem rápido, quero ver como estão hoje as minhas culturas.  

 

Sem Títulofg.jpg

Os rabanetes

95461044_233674971380947_2863154937590710272_n.jpg

Espanta pardais

95492642_282783536217715_3400338347116199936_n.jpg

 

95966975_185983605785783_7351341275955593216_n.jpg

A mesa já desfalcada 

95492361_552196472378706_421214056968355840_n.jpg

Eu, já passada dos carretos   

 

0950e4d6cac6d4a3769c79fce330bcb6.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

01
Mai20

Agricultora de mão cheia!

Milu

f5686fe151d4a41ab9469720a3f72905.gif

 

 

Depois de ter estado em layoff durante três semanas, que  foi interrompido por uma retoma da actividade profissional durante estas duas últimas semanas, eis-me de novo com as minhas rotinas diárias quebradas. Cá estou mais uma vez em layoff, que é o mesmo que dizer, com todo o tempo do dia disponível para mim. E, quando a fartura é muita, quase sempre também é muito o desperdício.

Por isso, prometi a mim mesma que, desta segunda avesada, irei aproveitar melhor o tempo, tentar ser mais produtiva, de alguma forma  transformar perdas em ganhos. Se eu até tenho tantos interesses, tanta capacidade para me interessar pelas coisas!  

Assim, a primeira medida a tomar é levantar a peida da cama bem cedinho. Para tal, tenho que me obrigar a deitar-me a horas decentes. Só assim aproveitarei melhor o tempo.

Ora, umas das minhas iniciativas na quarentena/confinamento foi ter a minha horta. Todos os dias, aproveitando o primeiro passeio da Lolita a vou ver, para dar conta dos primeiros rebentos das minhas sementeiras, e do desenvolvimento de outras. Já vi que há espécies vegetais cujas sementes germinam bem mais rápido do que outras. O mesmo se passa com  os seus rebentos. As minhas abóboras ou melancias, não sei distingui-las pela folhagem, e também já não me lembro a ordem pela qual as semeei, estão a crescer de vento em popa. Um dia destes, se vingarem, vão tomar conta de toda horta, vão invadir as hortas vizinhas    A breve trecho tenho de pensar numa solução 

Afora as minhas plantações, consituídas por plantas de cheiro que comprei em vaso, o que eu gosto mais é mesmo de semear. Gosto de apreciar todas as fases de desenvolvimento da planta. Observar como desabrocham, o ritmo do seu crescimento, etc.

Mas ando um bocadinho triste com as minhas couvinhas de bruxelas. Não crescem! Foram as primeiras a ser semeadas mas continuam pequeninas. Já ando a pensar que a diferença de crescimento das minhas plantinhas talvez se deva ao facto do canteiro das couves de bruxelas ser menos ensolarado. 

Por este andar tão depressa não me sustento com couves de bruxelas da minha lavra! Até já nem digo comê-las, queria vê-las crescer 

Também semeei recentemente cenouras. Pelo que tenho lido são de cultivo fácil. Há também um sítio na minha horta, onde estão a aparecer uns rebentos mas não me lembro do que seja. Só sei que comprei diversos pacotes de sementes no Lidl e andei a espalhá-los na horta um bocado a esmo. O que for se verá!  O próximo passo vai ser a monda 

Ora, vamos lá ver os progressos da minha ingricultura 

Rabanetes

Os rabanetes

95131077_166055888098242_420300199596916736_n.jpg

As abóboras ou melancias 

 

95149923_233746194512475_5600745415361167360_n.jpg

Mais uma vez alguns rebentos, folha arredondada, que ou são melancias ou abóboras! 

 

95702843_191952448447122_4058467116574048256_n.jpg

As minhas couvinhas de bruxelas

 

7d5ab12933cc5223a9c7d30807ed1056.gif

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

26
Abr20

Resiliência

Milu

53686145-gelb-leuchtende-hand-glühbirne-auf-schwa

 

Já não vou "Ficar Passada dos Carretos"  Há uma semana que retomei a vida activa. 

Sobre esta experiência única e inolvidável, de ter ficado em casa sem trabalhar e mesmo assim a receber algum dinheiro, tenho a dizer que me soube que nem ginjas, apesar de saber que terei de pagar os custos e correndo o risco de sair disto tudo algo afectada da mona.

Quanto aos custos, são um preço que me vai custar menos a pagar se eu tiver em conta que é muito provável que a quarentena, o confinamento social, venha a  introduzir substanciais  inovações na minha vida. Estas inovações a que me refiro têm a ver com algo que jamais  me ocorroria se não fosse esta pandemia. 

Por vezes precisamos de levar um abanão para acordar. 

Claro que tudo isto é muito bonito se  o corona vírus  não me apanhar desprevenida. 

Entretanto, o Facebook decidiu censurar os meus blogs,  um deles criado no âmbito da quarentena,  por isso denominado Instantâneos Quarentenais, o outro já existia mas tornei a pegar nele com novo fôlego, um blog de culinária, denominado Acepipes do Céu, ambos alojados no Blogsopt.

 

 

Sem Título.jpg

São dois blogs perfeitamente inocentes que, quanto a mim, em nada ofendem as políticas do Facebook. Sei que num deles registei alguns palavrões, mas fi-lo de propósito. Foi a minha forma de expelir  a neura provocada pelo isolamento. Chama-se a isso um "escape".

Até avisei o meu filho:

"Miguel, se vires que eu escrevi coisas parvas e algumas asneirolas no meu blog não sou eu, é a quarentena a falar".

 

giphy_10c482c0-2e80-48d5-8fa3-a4d681813259_large.g

 

 

Mais sobre mim

Sigam-me

Calendário

Eu

Lolita

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D